A cidade

A Cidade

O município do Paulista está localizado ao norte da capital pernambucana e faz parte da Região Metropolitana do Recife. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ocupa uma área de 93,52 km² com população estimada de 316.719 habitantes.

Aniversário da cidade: 4 de Setembro
Gentílico: Paulistense
População: 303.400 habitantes

Hino da Cidade do Paulista

Compositor e autor do Hino: Joel Andrade

O antigo Engenho de Manuel Navarro
Cresceu e para o mundo despontou
É hoje palco de um progresso imensurável
Paulista, símbolo da graça e do labor!
Em teu rico solo, o choro é riso
Doce paraíso encantador
Onde os dias têm mais luz
Onde as estrelas têm mais fulgor
Em cima, o céu é mais azul, é mais bonito
Em baixo, a brisa tem aroma de eucalipto
Teu povo é mais ordeiro e mais gentil
Paulista, fração linda do Brasil (BIS)
Qual grande lençol verde se agitando
Teu mar faz do teu leste atração
Enquanto o Sol que é bem mais Sol sobre teu solo
Esquenta o ar, esquenta a vida esquenta o chão
És o apogeu de um sonho lindo
Esplendor de um dia de verão
Onde a paz reside em paz
Onde as roseiras bem mais rosas dão
Em cima, o céu é mais azul e mais bonito
Embaixo, a brisa tem aroma de eucalipto
Teu povo é mais ordeiro e mais gentil
Paulista, fração linda do Brasil!

História

No ano de 1535 Paulista era um vilarejo, com duas freguesias, Paratibe e Maranguape, e formava parte da então vila de Olinda. Em meados do século XVI as terras de Paratibe foram doadas por Duarte Coelho a Jerônimo de Albuquerque, pelos serviços prestados à colônia. Jerônimo de Albuquerque, após um tempo, cedeu as terras de Paratibe a Gonçalo Mendes Leitão, no momento de contrair matrimônio com sua filha. Posteriormente com a morte de Mendes Leitão, seus herdeiros venderam as propriedades, dividindo-se a partir deste momento em Paratibe de Cima e Paratibe de Baixo. Já em 1856 a freguesia de Maranguape foi adquirida por João Fernandes Vieira e ao final deste século, no ano de 1689, as duas freguesias, Paratibe e Maranguape, foram vendidas ao bandeirante paulista, Manoel Alvares de Morais Navarro, conhecido como "Paulista", dando origem ao atual nome da cidade.
Os séculos posteriores caracterizaram-se pelo crescimento tanto político como econômico para a cidade. Paulista foi o segundo distrito de Olinda até o ano de 1935, o qual se converteu em município independente e atualmente está formado pelos distritos de Paratibe, Arthur Lundgren I, Arthur Lundgren II, Jardim Paulista Baixo, Jardim Paulista Alto, conceição, Janga, Pau Amarelo, Nobre, Maranguape I, Maranguape II, Jardim Maranguape, Alameda Paulista, Maria Farinha, Engenho Maranguape e Mirueira.

Geografia

Clima: tropical quente e úmido com chuvas de inverno.
Temperatura Média: 24,5ºC.
Limites: ao norte com Igarassu e Abreu e Lima, ao sul com Olinda e Recife, a leste com o Oceano Atlântico e a oeste com Paudalho.
Acesso Rodoviário: PE-15 e PE-01.
Distância da Capital: 17Km.

Relevo: é constituído por tabuleiros, cuja altitude varia de 40 a 50 metros, próximo à planície costeira e até mais de 160 metros, na porção oeste, estendendo-se para o leste.
Meio Ambiente: as matas — do Janga, de Jaguarana e de Caetés — localizam-se no interior da área urbana ou nas proximidades desta, e são reservas ecológicas criadas pela Lei n˚ 9.989, de 13 de janeiro de 1987. Dessas três reservas, apenas a de Caetés foi implantada, em 1991 e sofreu mudança de categoria, transformando-se em Estação Ecológica pela Lei Estadual n˚ 11.622/98, buscando, principalmente, contribuir para a proteção dos recursos hídricos, realizar atividades de Educação Ambiental e investigação científica, além de proporcionar lazer à população local.
Faixa Litorânea: nos terrenos submetidos à influência constante das marés, desenvolve-se a vegetação de mangue. Esse ecossistema desempenha uma importante função como filtro biológico e químico das águas contaminadas por resíduos industriais e Domésticos, além de servir como viveiro natural. Ainda na Planície Costeira, a ocupação urbana tomou o lugar da vegetação de praia, ali representada por espécies herbáceas.

Economia

No município de Paulista predominam atividades ligadas ao setor de serviços, comércio e indústria. O turismo também é responsável por atrair empreendimentos para o município com a implantação de hotéis, restaurantes, pontos comerciais e marinas. Em Paulista, está localizado também o parque industrial de Paratibe, que abriga empresas de diversos setores, dinamizando a economia da região e gerando emprego para a população.
O município faz parte da Região Metropolitana do Recife, que polariza fluxos econômicos, com predominância do setor de serviços e funciona como centro distribuidor de mercadorias. Além de concentrar maior número de indústrias de transformação do Estado, outro pilar da economia metropolitana é a agroindústria, voltada para os setores do álcool e açúcar. Destaca-se também o cultivo de frutas e hortaliças, como banana, coco, inhame, mandioca, entre outros.
Subdivisão Administrativa
• Administração Regional I: Centro, Bairro do Nobre, Vila Torres Galvão, Cidade Tabajara e Jardim Velho;
• Administração Regional II: Arthur Lundgren I, Arthur Lundgren II, Jardim Paulista, Mirueira e Paratibe;
• Administração Regional III: Maranguape I, Maranguape II, Jardim Maranguape, Fragoso, Engenho Maranguape e Jaguarana;
• Administração Regional IV: Janga, Pau Amarelo, Nossa Senhora do Ó, Nossa Senhora da Conceição, Maria Farinha, Enseadinha, Parque do Janga e Poty;

Infraestrutura

Educação

Instituições privadas de ensino superior
• Faculdade Joaquim Nabuco - FJN
• Faculdade de Saúde de Paulista - FASUP

Escolas Técnicas
• Escola Técnica Senai de Paulista
• SENAC de Paulista

Transporte

O transporte público na cidade do Paulista é feito, em grande parte, por linhas de ônibus. Desde o Terminal Integrado Pelópidas Silveira, localizado à Avenida Marechal Floriano Peixoto, é possível ir a qualquer lugar da RMR. Para alguns bairros da Cidade, o meio de transporte opcional são as kombis e vans.
Rodovias
• PE-001
• PE-015
• PE-018
• PE-022
• BR-101 (Norte)